A formação escolar da classe trabalhadora do campo

Adriana do Carmo de Jesus, Maria Cristina dos Santos Bezerra

Resumo


Analisamos como o capitalismo tem influenciado a educação na contemporaneidade, principalmente a educação que é oferecida à população que reside no campo. Entende-se que as mudanças, ou adaptações, nos projetos de educação são determinadas pelo capital e se colocam no sentido de atender aos interesses da classe dominante. Problematizarmos a armadilha ideológica existente na reivindicação da especificidade na educação do aluno do campo, pois se a formação oferecida à criança da classe trabalhadora além de “básica”, ou seja, voltada para a qualificação para o mundo do trabalho, se constituir em uma formação específica, fragmentada, com adaptações curriculares que contemplem o cotidiano, a vida e o trabalho no campo, a escola da classe trabalhadora “se empobrece”, visto que abre mão de garantir a criança seu direito de apropriar-se do conhecimento formal. Deste modo, buscamos alguns elementos para refletir a respeito do entendimento de como e por que se considera que a concepção hegemônica de educação do campo acaba por privar a criança do campo do melhor e mais elaborado conhecimento que a humanidade produziu e acumulou.

Palavras-chave


Educação do campo; Formação escolar; Classe trabalhadora;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1984-1736